Nem Comida nem Bebida

                             Romanos 14.17 / Marcos 1.15

A mensagem do Reino de Deus era o principal objectivo de Jesus. Não só de a pregar, mas, em especial, de estabelecer o Reino de Deus na terra. Um Reino totalmente fora dos padrões que o povo e os religiosos da época esperavam. A expectativa de muitos era a de um reino “guerreiro” que estaria disposto a pegar na espada e lutar contra o império opressor da época – os Romanos.

Mas Jesus frustrou as expectativas de quase todos. O Reino que Jesus quer estabelecer é a essência do cristianismo, encontrando-se no coração das pessoas que correspondem ás prerrogativas deste mesmo Reino – humildes, confiantes e totalmente Dependentes de Deus, como Jesus nos faz perceber através da analogia da criança, que encontramos em Mateus 18.1-6 e Marcos 9.33-37.

Encontramos escrito em Romanos 14.17, “Porque o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz e alegria no Espírito Santo”.
Segundo o apóstolo Paulo, o Reino de Deus “não é comida nem bebida…”. É bem-sabido que estava a chamar a atenção dos judeus convertidos ao cristianismo, que mantinham práticas da antiga religião onde se submetiam ás leis cerimoniais, em especial, na alimentação e separação de comidas puras e impuras.
É neste contexto que o apóstolo diz que o Reino de Deus não se baseia nessas coisas. 
Mas vejamos as três características que destaca:

  1. O reino de Deus é justiça.

Os dois ramos da justiça, pela qual “dependem toda a lei e os profetas”, são: “amarás o Senhor teu Deus… e amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mateus 22.37-40). 
A primeira característica do Reino de Deus é o amor. O amor que é derramado pelo Espírito Santo nos nossos corações e que nos possibilita amar a Deus e ao nosso próximo.

A - Amar a Deus:

Este amor faz-nos deleitar em Deus e esperar pela sua vontade;
Este amor faz-nos proclamar como o salmista o fez no Salmo 73.25 “Quem tenho eu no céu senão a ti? e na terra não há quem eu deseje além de ti”, ou no Salmo 18.1,2 “1 Eu te amarei, ó Senhor, fortaleza minha. 2 O Senhor é o meu rochedo, e o meu lugar forte, e o meu libertador; o meu Deus, a minha fortaleza, em quem confio; o meu escudo, a força da minha salvação, e o meu alto refúgio”.

B - Amar o próximo:

Quem ama a Deus tem amor para com o seu próximo. E amar é abraçar com a maior boa vontade, é ter o mais terno sentimento por outro ser, que é semelhante a Deus e a nós mesmos. Quem é o meu próximo? Aprendemos muito sobre o nosso próximo, entre outras verdades, na parábola do bom samaritano, em Lucas 10.25-37
O teu próximo – não somente teu amigo, parente ou teu conhecido, ou ainda aquele que te ama ou te retribui cortesia, mas todo o homem, toda a criatura, toda a alma que Deus criou. 
Não é este amor “o cumprimento da lei”, a soma de toda a Justiça cristã, de toda a justiça interior?  

Recordemos o que o apóstolo Paulo, tão sublimemente nos ensina sobre o amor, em 1 Coríntios 13.1-8
1 Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
2 E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
3 E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
4 O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
5 Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
6 Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
7 Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
8 O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;”

  1. O reino de Deus é paz

 Mas o Reino de Deus, ou a posse de um coração recto diante de Deus e dos homens, implica tanto felicidade como santidade. Porque não consiste apenas em justiça, mas também em paz e em gozo no Espírito Santo.

João 14.27 "Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize”
João 16.33 "Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo".

Que paz? A “paz de Deus”, que somente Ele pode dar e o mundo não pode tirar.
Paz que excede toda a compreensão, toda a razão, vindo a ser algo sobrenatural - uma emanação divina dos “poderes do mundo que está por vir”.
Paz que dissipa todas as dúvidas, toda a incerteza angustiante, dando o Espírito de Deus testemunho no espírito do cristão que ele é “filho de Deus”.
A Paz que afasta todo o temor: temor da ira de Deus, temor do inferno, temor do diabo, e, em particular, do último obstáculo que é o temor da morte.

  1. O reino de Deus é alegria no Espírito Santo

 Esta alegria é derramada nos nossos corações pelo Espírito Santo.
Aquele calmo e tranquilo regozijo em Deus, mediante Jesus Cristo que nos reconciliou e nos faz declarar como David no Salmo 32.1 “Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto”.
É este Espírito que produz a alegria no coração daquele que tem o testemunho de que é filho de Deus e tem a sua esperança renovada na coroa de glória que lhe está reservada no Céu. 

Conclusão

Na verdade, “Reino de Deus” é o domínio de Deus sobre o coração do homem. Assim que Deus firma o Seu trono nos nossos corações, estes enchem-se de “justiça, paz e alegria no Espírito Santo”.
Quando o Reino de Deus é estabelecido nas nossas vidas passamos a ter e a experimentar a “vida eterna”. 
Esta “vida” está em Jesus, conforme está escrito em João 17.3 “E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste”.
Onde quer que o Evangelho seja pregado, “aí está o Reino ao alcance da mão”. Não está longe de nenhum de nós. Nesta mesma hora, agora mesmo, nele podes entrar, se deres ouvidos à Sua voz que insiste: “Arrependei-vos e crede no Evangelho”.

Comentários