Mais do que Palavras

Jesus disse a alguns saduceus em Mateus 22.29 “Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus”.
Nós, por vezes, temos o mesmo problema. 
Examinemos um pouco esse poder e como, se o permitirmos, pode mudar as nossas vidas de maneira que nunca teríamos pensado possível. 

Em 1 Coríntios 4.20 encontramos escrito "Porque o reino de Deus não consiste em palavras, mas em poder." 
Este versículo diz-nos muito, cristãos de hoje... 
Encontramo-nos a falar uns com os outros sobre o quanto queremos fazer algo de bom para o Reino - como queremos desesperadamente ganhar almas para Cristo e nós mesmos tornarmo-nos como Cristo. 
Mas desculpamo-nos de servir integralmente a Deus e desistimos de nos tornarmos semelhantes a Cristo, dizendo que não possuímos os dons espirituais certos para testemunhar ou para servir. Além disso, nem sequer temos a força espiritual para conquistar a nossa própria natureza pecaminosa. 
O Reino de Deus não é uma questão de conversa ou de desculpas, é uma questão de poder. Não o nosso poder, pensa nisto, porque sabemos que o nosso poder é limitado - mas o Seu poder, que não tem limites. 
E há uma chave para aceder a esse poder de Deus...  e a chave é a Fé. 
Hebreus 11.1 diz-nos que a fé é, "o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêm”.
E outra vez nas Escrituras, vemos que sem fé, é impossível aceder a este poder. E sem esse poder de Deus, somos impotentes contra os factores internos e externos. 
Vamos olhar para Marcos 9.14-29. Aqui, Jesus, uma vez mais, dá-nos uma lição e aos discípulos. 

Contextualizemos esta porção da Palavra: Jesus tinha escolhido Pedro, Tiago e João, dos doze, levando-os a uma montanha onde foi transfigurado diante deles. Viram o Mestre glorificado diante dos seus olhos. Quando voltaram a descer a montanha, com os rostos ainda um pouco radiantes da Glória do Senhor transfigurado, foram confrontados com uma situação interessante ... E aqui é onde nós os apanhamos: 

Marcos 9.14-29 “14 E, quando se aproximou dos discípulos, viu ao redor deles grande multidão, e alguns escribas que disputavam com eles.

15 E logo toda a multidão, vendo-o, ficou espantada e, correndo para ele, o saudaram.
16 E perguntou aos escribas: que é que discutis com eles?
17 E um da multidão, respondendo, disse: Mestre, trouxe-te o meu filho, que tem um espírito mudo;
18 E este, onde quer que o apanha, despedaça-o, e ele espuma, e range os dentes, e vai definhando; e eu disse aos teus discípulos que o expulsassem, e não puderam.
19 E ele, respondendo-lhes, disse: Ó geração incrédula! até quando estarei convosco? até quando vos sofrerei ainda? Trazei-mo.
20 E trouxeram-lho; e quando ele o viu, logo o espírito o agitou com violência, e, caindo o endemoninhado por terra, revolvia-se, escumando.
21 E perguntou ao pai dele: quanto tempo há que lhe sucede isto? E ele disse-lhe: desde a infância.
22 E muitas vezes o tem lançado no fogo, e na água, para o destruir; mas, se tu podes fazer alguma coisa, tem compaixão de nós, e ajuda-nos.
23 E Jesus disse-lhe: Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê.
24 E logo o pai do menino, clamando, com lágrimas, disse: eu creio, Senhor! ajuda a minha incredulidade.
25 E Jesus, vendo que a multidão concorria, repreendeu o espírito imundo, dizendo-lhe: Espírito mudo e surdo, eu te ordeno: Sai dele, e não entres mais nele.
26 E ele, clamando, e agitando-o com violência, saiu; e ficou o menino como morto, de tal maneira que muitos diziam que estava morto.
27 Mas Jesus, tomando-o pela mão, o ergueu, e ele se levantou.
28 E, quando entrou em casa, os seus discípulos lhe perguntaram à parte: por que o não pudemos nós expulsar?
29 E disse-lhes: esta casta não pode sair com coisa alguma, a não ser com oração e jejum".

Os discípulos ficaram perplexos porque não podiam expulsar desta criança atormentada este espírito maligno em particular.
Porque que é que não podiam? Não lhes fora dado poder suficiente para fazer isso em nome de Jesus? 
Quando Jesus escolheu os doze e os enviou ao mundo, não os enviou de mãos vazias, porque em Mateus 10.1 está escrito "E, chamando os seus doze discípulos, deu-lhes poder sobre os espíritos imundos, para os expulsarem, e para curarem toda a enfermidade e todo o mal." ...E em Lucas 10.19 Jesus diz-lhes "Eis que vos dou poder para pisar serpentes e escorpiões, e toda a força do inimigo, e nada vos fará dano algum …" 

As escrituras dizem-nos que esse poder tinha sido colocado à sua disposição, mas .... onde estava ele quando o necessitaram? 
Para melhor discernir a resposta a esta pergunta, vamos ver o que Jesus diz nos vs. 28,29 "E, quando entrou em casa, os seus discípulos lhe perguntaram à parte: Por que o não pudemos nós expulsar?" Ele respondeu “Esta casta não pode sair com coisa alguma, a não ser com oração e jejum". 

Uma vez que acabámos de ler toda esta passagem sobre a cura deste menino... será que lemos algo sobre Jesus fazer uma oração portentosa, extraordinária, para expulsar esse demónio? Jesus ordenou “Espírito mudo e surdo, eu te ordeno: Sai dele, e não entres mais nele”.

O que é que Jesus quis dizer quando afirmou que só poderia sair com oração? 
Ao longo do discipulado, Jesus estava a ensinar-lhes a importância de uma comunhão muito íntima com o Pai. 
Através da oração, jejum, estudo da Palavra e meditação, esta comunhão torna-se possível. 
Mas para ter esse tipo de ligação com Deus, a mente e o coração têm que estar livres de qualquer outra coisa que se interponha no caminho. 
Também por isso, Jesus diz-nos que quando trazes a tua oferta ao Senhor, se tens alguma coisa contra alguém, então deves deixar o teu presente no altar, ires reconciliar-te com o teu irmão, e depois vir apresentar a tua oferta. 

Por outras palavras, há coisas que podem interferir seriamente na nossa vida de oração e na nossa relação com o Senhor. Sentimentos de ódio, falta de perdão, o alojamento de outro pecado que permitimos que reine dentro de nós …. essas coisas constroem um muro que nos separa de Deus - limitando a quantidade de ajuda e poder que Ele nos pode dar. 

E esse foi o caso dos nove discípulos que não puderam aceder ao poder de expulsar o demónio; os seus corações estavam poluídos com ciúme, inveja … (como se veria um pouco mais tarde, também no Evangelho de Marcos, capítulo 9, versículos 30 a 37, em que se perguntavam qual deles seria o maior no Reino dos céus) de Pedro, Tiago e João. Quiçá, passaram mais tempo a pensar como tinham sido subestimados, do que buscando em oração ficar perto de Deus. Portanto, paralisaram as suas vidas de oração e perderam essa ligação vital com o Senhor. 
E sem essa ligação... eles perderam o poder. 

Tenho um pequeno separador na minha Bíblia que diz "A oração traz poder". E esta é uma afirmação muito verdadeira porque o poder do nosso Deus torna-se disponível para nós apenas quando nos tornamos um com Ele - recordemo-nos do capítulo 17 de João, nomeadamente o versículo 21. Uma vida de oração activa, bem como de estudo diligente da Sua Palavra, são componentes essenciais que formam a base do nosso relacionamento com Deus.

Este princípio é-nos muito vividamente expresso quando olhamos para a vida de Jesus, quantas vezes Ele estava em oração e quão bem Ele estava familiarizado com as escrituras... como Ele manteve a Sua relação íntima com o Pai e, como resultado, o poder: poder para curar, poder para ministrar, poder para expulsar os espíritos malignos e poder para salvar. 

Mais, se não procuramos regularmente direcção por meio do estudo da Palavra de Deus... a nossa vida de oração vai de passageira a inexistente. 
Podemos parecer bons, mas o que conta não é o que vemos, mas o que está no nosso interior... e aqui estamos - todos nós basicamente parecendo bons…. mas será que o somos? 
Porque podemos ter uma "aparência de piedade, mas negar a eficácia dela". 
Deus tem uma quantidade ilimitada de poder que está á espera para pôr à nossa disposição, mas temos que acreditar que ele está lá. E, se nós não acreditamos, todo esse poder nos é inútil, porque não temos a fé para lhe aceder. 

Basta pensar sobre os filhos de Israel, por exemplo, e como Deus operou milagre após milagre, enquanto eles estavam no Egipto e como Ele os acompanhou naquele êxodo em massa através do deserto, dividindo o Mar Vermelho, guiando-os com uma coluna de fumo durante o dia e fogo de noite, para não mencionar como fez chover pão do céu, lhes deu água de uma rocha... Todas essas coisas foram realizadas somente pelo poder de Deus para o Seu povo. Os filhos de Israel viram em primeira mão este magnífico poder ..., mas ainda assim, quando chegaram a beira da Terra Prometida e ouviram o relatório dos espias que a terra que eles deveriam "tomar posse" estava bem fortificada e habitada por gigantes, perderam a fé em Deus e no seu poder para lhes dar a vitória. Como resultado da sua falta de fé, vagaram pelo deserto 40 anos, até que aqueles que decidiram não confiar em Deus morreram. 

Como os hebreus do passado, também nós vemos o magnífico poder de Deus: temos assistido entre nós a milagre após milagre. Mas, ainda não estamos convencidos do Seu poder para nos dar a vitória sobre alguns "gigantes" nas nossas próprias vidas. 

2 Timóteo 1.7 diz-nos "Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de poder..." Podes imaginar o quanto nós, como indivíduos, podemos crescer espiritualmente... e quanto poderíamos colaborar com Deus para que o Seu Reino se expanda se verdadeiramente tomássemos toda a vantagem do poder que Ele nos quer outorgar? 

Há algo em ti que sabes que deve ser retirado? Estás a lutar com um pecado que não és capaz de ultrapassar? Seja droga, álcool, algum preconceito - tenho que dizer-te que conheço alguém que é capaz ... e Ele não só é capaz, como está á espera que desistas de tentar fazê-lo no teu poder, mas que ponhas toda a tua confiança em Deus e no Seu poder – e que o faças com todo o teu coração, alma e mente. 

Sim, "Para o homem é impossível, mas para Deus tudo é possível".

Comentários